Diário de viagem com dicas!

Aqui vou contar um pouco dos meus dias pela Chapada dos Veadeiros. Selecionei vários passeios, ótimas trilhas e belíssimas cachoeiras para visitar enquanto estiverem por lá. Antes de qualquer coisa, não estou aqui para falar que o meu roteiro foi o melhor de todos, mas posso garantir que amei tudo que fiz.

Eu fui para a Chapada no carnaval deste ano e chegaria lá na tarde da sexta-feira e voltaria na tarde da quarta-feira. Ou seja, tinha menos que uma semana para desfrutar desse paraíso. Primeira dica: NÃO VÁ NO CARNAVAL. Como disse anteriormente amei ir para a Chapada e conhecer o local, mas estava muito cheio por lá. Considero um lugar para relaxar e colocar a mente no lugar, só que às vezes tem tantas pessoas e filas que você acaba se estressando um pouco. Outro motivo é por ser época de chuvas fortes, isso atrapalha um pouco os passeios.

 

 

 

 

 

Saímos de Maringá (minha cidade) na manhã da Sexta e chegamos ao aeroporto de Brasília por volta das 12h. Lá alugamos um carro com a Localiza, que foi definitivamente a melhor coisa em que fizemos em toda a viagem. Se estiver pensando em ir de ônibus e lá fechar passeios, peço para que nesse momento vocês reconsiderem. Lá o serviço de ônibus é escasso, taxis são caros e fechar passeios com agências locais só compensa se estiverem em grande quantidade de pessoas e fecharem vans, se não também ficará caro. Além de você ficar preso a uma programação e não poder aproveitar os locais em que mais gostou, dentro do seu próprio tempo.

De Brasília a Alto Paraíso de Goiás (cidade da região que escolhi ficar) são aproximadamente 3h30m de estrada. A rodovia é tranquila e não possui pedágios, então gastará apenas com o combustível.

Logo que chegamos à cidade, fomos direto para a Fazenda Loquinhas, aproveitar o restinho do dia por lá. Ao sair paramos comer em uma lanchonete, depois fomos para a nossa casinha por esses dias. Loquei um chalé pelo AIRBNB, ficava próximo ao centro da cidade, mas era necessário ir de carro. O lugar era muito confortável e delicioso. Sim não estávamos esbanjando dinheiro nessa viagem então não estava em nossos planos sair todos os dias comer em restaurantes e como pegamos uma casa com cozinha, sim iríamos preparar algumas coisas por lá mesmo. Então à noite fomos ao mercado fazer comprinhas e depois dar uma voltinha conhecer a cidade. Sem contar que já paramos no CAT (Centro de atendimento ao turista) para ver se iria mudar alguma coisa em meu roteiro.

Já no meu segundo dia – sábado – eu acordei cedo e fomos por volta das 09h para a Fazenda São Bento, lá é possível conhecer três cachoeiras e fazer as trilhas que levam a elas, essas são a Almécegas I, a Almécegas II e a cachoeira São Bento. Saí de lá às 14h devido o tempo que desabou, sim começou chover muito e isso atrapalhou MUITO a minha programação. Dessa forma, voltei para nossa casinha e esperamos o tempo abrir um pouco e quando ele deu uma trégua fomos para a cachoeira dos Cristais. Nesse dia saímos jantar em um restaurante da cidade, são vários pela rua principal de Ato Paraíso, então vai de você escolher de acordo o seu gosto.

No domingo, meu terceiro dia por lá, São Pedro não me ajudou nenhum pouco e sem brincadeira, sabe aquela chuva de cair o mundo, era ela que estava caindo. Não tinha como ir para uma trilha que poderia ser perigoso, as cachoeiras estariam mais geladas do que nunca, então aproveitamos para ficar na nossa casinha e relaxar um pouco por lá mesmo. Mas no final da tarde olhei para o céu e avistei-o, meu amigo sol. Assim decidimos ir para o Vale da Lua apreciar o pôr do sol e depois para as Águas Termais do Morro Vermelho, onde ficamos até tarde da noite.

Como ir até a Chapada e não incluir algumas cachoeiras de Cavalcante (outra cidade da região), impossível. Então o combinado era, faça chuva ou faça sol, iremos acordar cedo e partir para lá. Esse foi o destino do nosso quarto dia (segunda-feira). A dica é sair bem cedo, principalmente se estiver em Ato Paraíso e São Jorge que fica distante. Chegamos em Cavalcante e paramos no CAT que nos explicaram como chegar a Comunidade Kalunga que fica alguns quilômetros adiante. Chegamos lá às 09h e já havia fila e não era pequena não. Quando você chega no lugar, eles te indicam um guia local para que esse te acompanhe durante o trajeto, decidimos fazer as três cachoeiras que a comunidade oferece. Quanto mais cachoeiras você vai, o preço aumenta. Aí atrás de nós na fila de espera estava um casal de cariocas maravilhosos que toparam em se juntar conosco. O guia nos levou primeiro para a trilha mais cansativa, mas definitivamente a mais linda de todas as cachoeiras da Chapada dos Veadeiros inteira, a Candaru. Depois fomos para a famosa Santa Bárbara e finalizamos o passeio na Capivara. Não preciso nem dizer que no fim de tudo isso nós estávamos muito cansados e pegamos estrada direto para o chalé.

Estava acabando a viagem e iria ser meu ultimo dia completo pela Chapada, então o dia começou lindo com aquele sol espetacular e deixei para conhecer o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros nesse dia. Só que nem tudo acontece como planejamos e cheguei às 09h12m no parque e ele já tinha encerrado as entradas do dia, já havia atingido a capacidade máxima de pessoas no local. Isso mesmo, eu cheguei às 09h12m, esse horário ficou marcado para mim. E agora o que fazer? Aonde ir? A tristeza tomou conta, porque como eu vim para a Chapada dos Veadeiros, milhares de quilômetros da minha cidade e não ia conhecer o principal parque do local. Mas isso não poderia acabar com meu dia, não mesmo. E como estava próximo do povoado de São Jorge (outra cidade da região), resolvi em conhecer alguma cachoeira por lá. Dessa forma, acabei indo para a Morada do Sol e simplesmente amei. Olha a coincidência que aconteceu aqui, sem combinar nem nada encontramos o casal de cariocas do dia anterior e passamos parte do dia junto com eles. Ficamos lá até às 14h, voltamos ao chalé e finalizamos o dia lindo em duas das cachoeiras mais exuberantes em que vi, fomos na Fazenda Solarion conhecer a cachoeira dos Anjos e Arcanjos.

Meu ultimo dia (quarta-feira) havia programado para passear por Brasília, mas me veio à mente: Poxa Brasília você terá mais oportunidades de voltar e aqui com certeza vai demorar! Com esse pensamento, acordamos cedo e chegamos às 07h30m no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. O parque só iria abrir às 08h, ou seja, fui a primeira a chegar. Tinha que sair da cidade depois do almoço, então não daria para conhecer o parque todo. Optei por conhecer os Saltos e as Corredeiras do local, mas nesse dia como o tempo fechou de novo, não foi possível tomarmos o último banho de cachoeira.

Assim acabou nossa viagem, retornamos às pressas para Brasília para dar tempo de pegar nosso voo. Só de lembrar os momentos vividos, do contato com a natureza, com cada lugar maravilhoso em que vi e desfrutei, falo essa viagem com certeza valeu a pena. Sei que não fui a muitos restaurantes, não conheci diversas cachoeiras, não me hospedei nas melhores pousadas, mas amei tudo que eu fiz. Posso ter me estressado com a lotação dos locais, me aborrecido com os preços (achei caro pagar em média R$ 20,00 por cada cachoeira), mas faria novamente essa viagem, sem pensar duas vezes. Como vocês viram o tempo não colaborou muito comigo e se eu tivesse pegado mais momentos de sol, com certeza teria conhecido pelo menos mais três outros locais. Então é aquilo que a minha mãe fala: Precisa sempre deixar um gostinho de quero mais, para assim voltar!

 

Salve esse post no Pinterest!

Comments

comments

Deixe um comentário